Biohacker implanta chip do tamanho de um celular no seu braço
6 de novembro de 2013
2 Comentários
Biohacker implanta chip do tamanho de um celular no seu braço
Biohacker implanta chip do tamanho de um celular no seu braço

Biohacker implanta chip do tamanho de um celular no seu braço

2 Comentários

Se você considera que a Neurocam que falamos neste artigo, é algo inovador e até muitas vezes um pouco complexo na sua forma de usar, então espere para ler as próximas linhas. O biohacker Tim Cannon decidiu implantar no seu braço – isso você leu bem – um Cyborg DIY, que não é mais do que um chip de computador do tamanho de um smartphone.

O sensor, desenvolvido ao longo de 18 meses por Cannon e os seus amigos, tem como objetivo monitorar os seus sinais vitais e depois enviá-los em tempo real via bluetooth para o seu dispositivo Android. “Se eu estiver ficando com febre ele enviará uma mensagem de texto com um aviso. Com isso, ele ajuda a detetar as causas dessa mesma febre. Considero que devemos utilizar a tecnologia para percebermos como está o ambiente à nossa volta”, confessou Cannon. São esperadas novas versões e – felizmente – espera-se que o seu tamanho seja bem menor.

Leia também: Aplicativo ajuda você a encontrar um rim

biohacker

O criador deste chip introduziu o dispositivo a sangue frio, visto que não conseguiu aprovação médica para realizar a cirurgia. “Se eu tive um dia muito stressante, por exemplo, o dispositivo vai dizer-me que eu preciso de desligar um pouco as luzes e tomar um banho quente”, esclareceu o biohacker. Ele espera que a produção de novos chips possa estar pronta “nos próximos meses” e que o aparelho custe em torno dos $500 dólares. Steve Haworth, especialista em modificação do corpo e responsável pelo implante de Cannon, diz que irá cobrar cerca $200 dólares por cada procedimento.

Veja logo abaixo o vídeo disponibilizado por Tim Cannon:

Seções:
Junte-se a nós na nossa área de membros!
Faça login ou registre-se e receba as novidades em primeira mão.
Guarde artigos para ler mais tarde ou acesse aos seus favoritos.

Comente este artigo

* Campos de preenchimento obrigatório

2 Comentários

  1. Bea 6 de novembro de 2013 20:42

    Não seria mais fácil um ‘relógio’ que faça isso? .-.

    • Luciano Larrossa 6 de novembro de 2013 23:53

      Bea,

      Possivelmente o relógio não conseguiria dar acesso aos seus sinais vitais ;)

      Abraço

Voltar ao topo